Projeto Escola Zé Peão

Metodologia de ensino

Com relação especificamente à questão metodológica da educação/alfabetização, considera-se que o problema do método não é, a rigor, resolvível por meio de uma única tomada de decisão, num momento específico, nem de uma vez por todas. Desenvolve-se num processo contínuo de tomada de decisões que, subsumido dentro de um esquema de orientação geral definido à época da elaboração do projeto original e condicionado pelas circunstâncias da realidade vivida em cada fase de sua execução, vem se constituindo no que hoje poderíamos chamar de “o método de alfabetização que utilizamos”. 
O esquema de orientação geral a que nos referimos pauta-se pelos seguintes princípios:

  • Contextualização: considera-se o contexto em que a experiência escolar se realiza. Na sua operacionalização privilegia-se: (a) as condições de vida dos alunos, em particular, as condições em que se dá a sua inserção no mundo do trabalho da indústria da construção; (b) as lutas do sindicato dos trabalhadores dessa indústria, como parte de seu programa de formação de base dos operários; (c) a localização da equipe responsável pelo Projeto no atual espectro de teorização sobre educação, de um modo geral, e sobre alfabetização de um modo particular.
  • O princípio da significação operativa: busca-se o exercício da busca cotidiana de sentido para “o que se faz” e “porque se faz”, refletindo-se sobre o confronto entre o desejado e o possível nas circunstâncias dadas.

O princípio da especificidade escolar: defende-se que uma escola tem compromisso com o ensino da lecto-escrita stricto sensu. Por mais elástico que o conceito de “alfabetizado” possa ser, reforçamos a explicitação de nosso entendimento de que os trabalhadores-alunos aprendam a ler/escrever textos, subordinando outras competências à realização concomitante desse aprendizado específico.